logotipo micro logotipo m?dio logotipo max Dúvidas? Contacte-nos: logos@logoslogotipos.com.pt/912 138 283

6 passos para criar um logótipo

by João Alexandre on October 8, 2010

in Teoria do logotipo

Como criar um Logo Profissional

Passos para o logotipo final

Um logo profissional pode realçar uma empresa, uma organização ou um produto. Por outro lado, um logotipo amador pode arruinar uma marca e o portfolio de um designer.

Muitos dos logótipos em uso não são profissionais. São muitos os que acham que podem criar um logótipo profissional, mas só para que conste, saber trabalhar no Photoshop não é suficiente, e nem o programa em si é suficiente ou o adequado para tal na maior parte dos casos.

Aqui estão algumas dicas sobre o processo e o fluxo de trabalho do design de um logótipo eficaz e moderno. Com estas dicas e a sua própria criatividade, pode fazer os seus projectos brilharem entre os melhores. E já agora para uma explicação das origens do logotipo verifique um post que escrevi sobre isso.

Dicas para o design do logotipo

1. Design: Esboçar e Brainstorm

São muitos os que saltam logo para o computador para criar um logótipo e que desperdiçam tempo a brincar com efeitos especiais e filtros. Embora isso possa ser útil, normalmente significa que o design inteligente e artístico do logo ficou para trás.

A melhor maneira de começar é pegar numa folha de papel e num lápis. Pense sobre o significado e o que quer que o logo transmita ao espectador. É para uma empresa de jogos de alta tecnologia ou para uma organização sem fins lucrativos? Deveria ser simples ou complexo? Enquanto está a pensar desenhe e rabisque as suas ideias. Não se preocupe em fazer tudo perfeito. O que se pretende é deixar apenas fluir naturalmente a sua criatividade, sem o seu software nesta fase. Quanto mais manual e tradicional for esta fase, melhor.

Quando já tiver um esboço com as diferentes opções, comece por eliminar os desenhos que parecem fracos ou inadequados. Quando estiver satisfeito com as suas ideias, está na altura de as passar para o computador.

Se está a criar um logótipo para um cliente, lembre-se que eles podem não gostar de todas as suas opções. Então, antes de passar muito tempo a criar todas as ideias, pode apresentar alguns projectos em andamento para avaliar o nível de interesse do cliente. Desta forma pode-se economizar muito tempo, especialmente se o seu cliente não lhe deu muitas indicações.

2. Construir: Vectores

Este é um assunto que muitos principiantes (e alguns profissionais) acham confuso. Nos últimos anos, alguns softwares como o Photoshop, Paint Shop Pro, Fireworks encurtaram as fronteiras entre gráficos vectoriais e bitmap.

Formatos de imagem comuns como GIF, JPEG, BMP, TIFF são todos formatos bitmap. Fotos digitais são exemplos perfeitos de gráficos bitmap (também conhecida como imagens “raster”) – porque são preenchidos com pontos que também são conhecidos como pixéis. Os gráficos de bitmap têm uma resolução específica. Se aumentar o zoom numa foto digital, vai ver os pixéis individualmente. Pode diminuir um bitmap e obter alguns resultados decentes, mas o mesmo não se consegue se aumentar o tamanho de um bitmap. O Photoshop, Pixelmator, Paint Shop Pro, Painter são todos bons exemplos de programas que são projectados principalmente para a criação de bitmap e edição de fotos. Eles não são de todo as melhores ferramentas para o design de um logotipo, como foi insinuado no princípio deste post.

Em contraste, os arquivos vectoriais não são feitos de pontos ou pixéis. Os vectores podem ser ampliados ou reduzidos, sem perda de nitidez ou detalhe. Por exemplo, as linhas e curvas de um gráfico vectorial ficarão igualmente tão acentuadas num cartão da empresa de pequeno formato como num outdoor de publicidade. Os logos profissionais são feitos com gráficos vectoriais para que possam ser utilizados para impressão, sites, televisão e todas as outras formas de média. Os formatos de arquivos vectoriais, são o EPS (encapsulated postscript), PDF (portable document format) e AI (Adobe Illustrator).

Se usar o software adequado para o desenho de vectores, será capaz de criar rectas, curvas suaves e formas precisas, rapidamente e facilmente. Entre os programas de desenho vectorial estão o Adobe Illustrator, Lineform, FreeHand e Corel Draw. Além disso, existem excelentes alternativas gratuitas, como o Inkscape, por exemplo (que é um dos melhores programas open source/gratuitos vectoriais na minha opinião).

Use os seus esboços como guia, e use o software de desenho vectorial para recriar uma versão elaborada das suas ideias para o logotipo. Se estiver a usar um software, para criar um vector pela primeira vez, só vai levar alguns instantes para aprender as noções básicas de como usar a ferramenta caneta “Pen” para criar linhas e “Bezier” para curvas.

3. Decorar: Esquemas de Cores

Tente usar combinações de cores que façam sentido para o logo em questão. Por exemplo, não pode usar rosa choque e laranja para um banco de investimento. Existem ferramentas que ajudam na combinação de cores como o Adobe Kuler, completamente gratuito e online (http://kuler.adobe.com/) ou o livro Color Index 2 de Jim Krause.

Adobe Kuler

Adobe Kuler

Color Index 2

Color Index 2

4. Versões: preto e branco

Depois de dar cor ao seu logótipo considere como este vai ficar quando for fotocopiado ou em fax. Se parece incoerente quando convertido para preto e branco por uma fotocopiadora ou fax, está na hora de voltar para o computador e fazer uma versão separada do seu logótipo a preto e branco e pronto para qualquer coisa. A versão a preto e branco pode diferir um pouco da original, mas deve manter a aparência geral. Pode sempre converter uma forma sólida a uma forma vazia, ou vice-versa.

5. Planeamento: Média

Ao desenvolver um logótipo, tenha em mente o seu suporte de destino. Por exemplo, se um logo só vai ser exibido num site, você poderá criá-lo com várias cores, ou até efeitos especiais. No entanto, se um logótipo também for utilizado para impressão, é preciso considerar a complexidade do logótipo e da despesa que várias cores e efeitos contribuirão para os custos de impressão. Para alguns logos, pode ser útil criar uma versão para a web e uma versão para impressão menos elaborada.

Também deve levar em consideração as configurações do “trapping” para o seu logótipo. O “trapping” refere-se ao espaço entre as duas cores. Na impressão, cada cor é geralmente impressa separadamente e pode haver algum ligeiro movimento do papel ou das máquinas que pode mudar como cada cor é impressa. Estes ligeiros movimentos podem causar um traço em branco entre as cores e até um milímetro será perceptível se tiver duas cores que são projectados para tocar uma na outra. Isto é igualmente importante para as formas coloridas que têm contorno em preto. Para evitar isto pode criar uma sobreposição (conhecida como “spread”) entre as cores adjacentes para reduzir as hipóteses de que o movimento na impressão seja de todo perceptível.

No entanto, se observar muitos dos logos profissionais, nota que as várias cores nem sempre estão juntas e existe frequentemente espaço em branco entre os elementos. O espaço em branco não só é uma importante ferramenta visual, mas também pode eliminar preocupações com o “trapping”.

6. Refinar: Tipografia

As letras e palavras que fazem parte de um logótipo são tão importantes como os gráficos. São muitos os que usam qualquer tipo de fonte para um logótipo sem pensar muito no porquê da coisa. No entanto, o estilo das letras, as fontes e até mesmo o uso de maiúsculas ou minúsculas num logótipo pode ter um impacto dramático. Nunca subestime a necessidade de utilizar tipografia eficaz. Além disto, converta sempre a fonte usada no seu logótipo em curvas. Dessa forma, se precisar de enviar o arquivo/ficheiro para alguém que não tenha a fonte instalada poderá sempre abrir o ficheiro sem alteração da mesma.


Logotipo – Conclusões

Espero que tenham gostado destes 6 passos em como criar um logótipo profissional. Podia-se escrever muito mais sobre cada um dos passos, especialmente alguns dos aspectos técnicos que é preciso ter cuidado com a impressão e tendo em conta em que suportes o logo vai ser aplicado… e isso pode ficar para uma outra vez, talvez em forma de outro post. Até lá…

10 comments… read them below or add one

Vaca Fria December 8, 2010 at 3:22 pm

Olá João,
estes 6 passos são importantes. Gostei ddo que li. Votos de sucesso.
Abraço

Jé Leme February 25, 2011 at 12:45 am

Muito bom, abraços.

Rafael Reis August 26, 2011 at 3:07 pm

Valeu pelas dicas.

Mano September 15, 2011 at 3:17 pm

Boas…Gostei :) agora uma pergunta!
Quais os tipos de suporte de destino que aconselha que se trabalhe?
obrg
abraço

João Alexandre September 16, 2011 at 3:47 am

Olá Mano, que tipo de suporte de destino é que estás a falar?

Mano September 16, 2011 at 6:12 pm

Viva
referia-me ao ponto 5.Planeamento: Media
Fala em tipo de suporte digital…Eu estou a fazer um trabalho (logótipo) para uma empresa e queria um conselho acerca dos tipos de suporte onde possa simular o uso futuro do logótipo… ex: site, facebook…… entende?

João Alexandre September 17, 2011 at 7:29 am

Mano, basta imprimires os teus “protótipos” do logo nos suportes onde queres. A menos que não tenha sido essa a pergunta que fizeste e eu não te esteja a entender.

Mano September 22, 2011 at 2:16 pm

Sim sim…Compreendeu muito bem :)
Percebi bem a explicação e até agora está tudo a correr bem com o meu trabalho depois destas dicas…
Obrg e bom trabalho

sonia saleiro uache January 4, 2012 at 3:38 pm

ola tudo bem ? olha eu gostaria de fazer um logotipo mais nao sei como ter os programas para fazer, ja tenho o rascunho no papel. agradeco as dicas e NB; nao entendo muito bem de softwares nao

João Alexandre January 4, 2012 at 3:54 pm

Olá Sónia, podes usar software como o Adobe Illustrator ou o Corel Draw. Estes programas são bons para este tipo de coisas, o problema é que o Illustrator custa aí uns 800 euros e o Corel Draw anda à volta do mesmo.

Se optares por software gratuito (open source), podes experimentar o Inkscape, tem muito menos funcionalidades dos outros programas pagos e tem alguns problemas porque não suporta bem fontes, tipos de letra e as opções que podemos fazer com elas. Mas na falta de mais, podes experimentá-lo: Inkscape.

Leave a Comment

3 trackbacks

Previous post:

Next post:

(additional scripts)